Cooperação de Maria na santificação do homem

Maria é concebida na mente de Deus e consequentemente no seio de sua mãe, Santa Ana. Tudo em vistas de nossa salvação. É tão relevante o papel de Maria que a chamamos de corredentora. Deus quis, no seu livre e eterno desígnio, associar a obra de seu Filho uma mulher, Maria, até ao ponto em que ela fosse, de verdade, causa da salvação do gênero humano.

Para restaurar e elevar o gênero humano até a intimidade da Trindade, que havia se perdido com o pecado de Eva e Adão, bastava um homem Deus, o Verbo encarnado. Mas ainda que pudesse, não convinha, não era adequado e por isso a Trindade não quis, que o Redentor (Jesus) redimisse sozinho, que o Santificador santificasse sozinho. No Evangelho de João, Maria representa a nova e definitiva mulher, a companheira do Redentor. Aparentemente pouco afetuoso, o apelativo mulher expressa o contrário, a grandeza de sua missão perene.

A Virgem une a paixão de Cristo a sua compaixão. Ao sangue do seu Filho une as suas lágrimas de mãe. Ela também sacrifica e por isso, redime. Ela satisfaz de um modo subordinado e dependente, a pena merecida pelos pecados de todos os homens que existiram, existem e existirão. E merece pelo seu sacrifício as graças da Redenção. O Senhor Jesus fez com que sua mãe que estava de pé junto à cruz, tomasse parte no próprio ato do seu sacrifício. Incluiu a vontade dela dentro da sua, e assim fez com que a sua mãe, tomasse parte na obra da redenção.

O valor redentor que ela acrescenta é enorme, porque Maria não é simplesmente uma pessoa qualquer. É a mãe imaculada do Filho de Deus, e por sua corredenção singular é mãe espiritual de cada homem redimido e mãe da Igreja. Por isso, a cooperação mediadora de Maria, sua corredenção, tem um caráter especialmente maternal. E será levada a cabo na mesma linha ascendente (cooperação maternal de intercessora diante de Deus e de distribuidora de todas as graças).

A aliança de Maria com Cristo é plena e explícita a partir do seu sim (Fiat). Entendido em toda sua plenitude, a maternidade divina impõe e justifica radicalmente o princípio de uma participação de Maria na vida inteira e na missão do Verbo encarnado. Por si própria, esta associação insere Maria em toda a história da redenção e santificação.

Se Eva é mãe dos viventes levados por ela à própria a morte, Maria é mãe dos viventes com vida eterna, divina. Mãe no sentido mais profundo e valioso do que Eva. Mãe de verdadeira vida sobrenatural, mãe na ordem da graça.

Nossa Senhora a aclamamos como corredentora, medianeira ante o Senhor, indissoluvelmente unida ao seu Filho, único mediador entre Deus e a humanidade. A intervenção de Maria, a sua cooredenção real não pode se separar da redenção de Cristo. Conservou fielmente a sua união com o Filho até a cruz. Ela por desígnio divino permaneceu de pé, sofrendo profundamente com o seu unigênito e associando-se com coração de mãe ao seu sacrifício. Consentindo amorosamente na imolação da vítima que ela mesmo tinha gerado.


Alberto Luiz Gasparrini

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Pedidos de Orações.

Av. Paraná, 5440 - Vila A - TEL:(45) 3524-4000