Reflexão do Evangelho


16.06.2019: DOMINGO DA SANTÍSSIMA TRINDADE

Provérbios 8,22-31; Salmo 8; 1Romanos 5,1-5; João 16,12-15

EM COMPANHIA DAS TRÊS DIVINAS PESSOAS

Os escritos do Novo Testamento estão repletos de referências ao “Pai, ao Filho e ao Espírito Santo”. Sim, existem três pessoas. São iguais. Têm a mesma natureza. Essas Três Pessoas desejam a companhia dos seres humanos. Então, é a melhor notícia que os seres humanos podiam receber.

Nos inícios da história da Igreja, alguns negaram este mistério, ou o entenderam mal, e produziram confusões e divisões. A principal heresia surgiu com Ario, e é conhecida como “arianismo”. Para Ário, o Logos (Cristo) seria uma criação do Pai. O Pai o teria feito um “semi-deus”, um “herói”, mas Ele (Cristo) não teria a mesma natureza de Deus. Não foi fácil extirpar esse erro. Ele causou uma confusão catastrófica na Igreja de 336 a 381 d.C. O arianismo foi condenado em 325, em Nicéia, no Primeiro Concílio Ecumênico, isto é, assembleia de todas as comunidades cristãs.

Mas logo depois, o arianismo retornou. Fala-se que quase 90% dos bispos eram arianistas, isto é, ensinavam essa heresia. Parecia que a Igreja não existia mais. Somente cinqüenta anos mais tarde, a reta doutrina foi restabelecida, graças aos esforços de grandes teólogos e apologetas. Um dos heróis na defesa da fé foi Santo Atanásio, que foi perseguido pelos imperadores arianistas, preso e enviado ao exílio cinco vezes.

Só como curiosidade: naqueles tempos houve verdadeiras brigas entre os que afirmavam que Cristo era “omoousios” (termo grego que significa “igual”, da mesma substância), e os que diziam que ele era apenas “omoiousios” (com “i”, e significa “semelhante”, “substância parecida”) ao Pai. O que não faz um “i” na teologia!

Pois é. O Concílio de Nicéia debateu os termos “homoousios” e “homoiousios”. Definiu e afirmou que o Pai, o Filho e o Espírito Santo (a Divina Trindade) são “homoousios”, (sem o “i”), isto é, possuem a mesma substância.

Faço um parêntesis. Os que defendem e sofrem por defender a fé, os mártires e confessores, são os mais festejados santos do céu, diz o Apocalipse (cf. 15,1-4; etc.). Convém saber que existem várias seitas que usam a Bíblia mas negam a Santíssima Trindade, da mesma forma que usam a Bíblia e negam a real presença de Cristo na Eucaristia, etc. Muitas seitas chamam o dogma da Santíssima Trindade de “doutrina monstruosa”. E chamam de “monstruosa” também a doutrina da real presença de Cristo. Ora, os milagres eucarísticos confirmam a fé na Santíssima Trindade. São Pedro já escrevia: “Os ignorantes e vacilantes torcem as Escrituras, para a própria perdição” (2Pedro 3,16).

Santa Clara de Assis cultivava uma profunda devoção ao mistério da Santíssima Trindade. Seu corpo continua incorrupto. E extraíram “Três Pérolas” do seu coração, que também se conservam intactas. Essas Três Pérolas, juntas, têm o mesmo peso que uma só, ou duas. Quer dizer, uma é igual a duas, uma têm o mesmo peso que três, e duas têm o mesmo peso que três. Um sinal da Trindade. O mesmo ocorria com as “pérolas” extraídas do coração de Santa Clara de Montefalco. E o mesmo ocorre com as cinco porções de sangue do Milagre Eucarístico de Lanciano: são diferentes na forma e no tamanho, mas sempre iguais no peso, quer de uma, de duas ou de todas as porções.

Pe. Aldo Dal Pozzo

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Pedidos de Orações.

Av. Paraná, 5440 - Vila A - TEL:(45) 3524-4000